Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Loading in …3
×
1 of 21

Plano de Presença Online

13

Share

Download to read offline

Em uma perspectiva corporativa de plano de presença online, são propostos 6 passos para construção de uma presença objetiva (estudo, planejamento, ocupação, execução, monitoramento e manutenção) e 4 fases de comportamento corporativo online (existir, atrair, relacionar-se e fidelizar).

Plano de Presença Online

  1. 1. Plano de PresençaOnline - perspectivacorporativa<br />wgabriel<br />Janeiro/2011<br />6 passos para presença objetiva (estudo, planejamento, ocupação, execução, monitoramento e manutenção) e <br />4 fases de comportamento corporativo (existir, atrair, relacionar-se e fidelizar)<br />Planejamento Digital, Marketing Digital, Pesquisa, Internet<br />
  2. 2. W. Gabriel de Oliveira<br />Analista de estratégias Web, professor de Marketing Digital e pesquisador da área Comunicação e Marketing<br />www.wgabriel.net/wgabriel<br />@wgabriel1<br />youtube.com/wgabrieldeoliveira<br />wgabriel@wgabriel.net<br />
  3. 3. ALGUMAS POSSIBILIDADES DA INTERNET PARA CORPORAÇÕES<br />Relacionamento<br />
  4. 4. ALGUMAS BASES DE MARKETING E ESTRATÉGIA<br />Marketing holístico(KOTLER; KELLER, 2006)<br />Visãoestratégica do Marketing, tanto de dentroparadentro, quando de dentroparafora, observandonãoapenasconcorrentes, tendências e mercadomundial, mas tambémprocessosinternos, desenvolvimento de pessoas, planosde trabalhodentre outros pontos.<br />Marketing Mantra – CCDVTP (KOTLER, 2008)<br /> É criar, comunicar e entregar valor a um mercadodeterminado, gerandolucros.<br />
  5. 5. ALGUMAS BASES DE MARKETING E ESTRATÉGIA<br />EstratégiaCorporativa e Posicionamento<br />(MINTZBERG; QUINN, 1996; PORTER, 1997; ZALTMAN, 2003)<br />Fixação de modelo de decisões com base nasdefinições de objetivos e metas da corporação, que, porsuavez, sãotraçadosconsiderandotambém o estudo de mercadorealizado. Tal padrão define comportamentosinternos e externosque a corporaçãodeveter no mercadoparaalcançartaisobjetivos e metas. São tambémestimados amplitude de resultados e prazoparaseualcance. Jáestá no plano o segmento de mercadopretendido, e é com base no estudodessesegmento (oportunidades e concorrência) e naanálisecrítica das reaispossibilidades da corporação (forças e fraquezas) que o posicionamento da corporaçãodevesertraçado e sustentado, paraquetalimagempossasertrabalhadajuntoaocotidiano do público-alvo, buscandosuamemóriapermanente. <br />
  6. 6. VISÕES SOBRE MARKETING ESTRATÉGICO<br />(PORTER, 1996) <br />Estudar uma posição em que a unidade empresarial possa se defender das forças competitivas e influenciá-las em seu benefício. Para isso, é importante visar ter liderança em custo, diferenciação (qualidade, serviços, estilo e/ou tecnologia) e foco (segmentos).<br />(JOHNSON et al., 2007)<br />A vantagem competitiva está em criar um valor que a empresa consiga sustentar; bloquear a imitação (ou o alcance) desse valor; colaborar com interessados saudáveis (ex: países, empresas parceiras e clientes) e se antecipar ao movimento dos concorrentes<br />
  7. 7. PLANO DE MARKETING:<br /><ul><li>Missão
  8. 8. SWOT
  9. 9. Metas e Objetivos
  10. 10. Estratégias e Implementação
  11. 11. Feedback e Controles</li></ul>Adaptado de Kotler (2006)<br />ESTRATÉGIA:<br /><ul><li>Plan
  12. 12. Pattern
  13. 13. Position
  14. 14. Perspective
  15. 15. Ploy</li></ul>(MINTZBERG, 2010)<br />
  16. 16. INTERNET COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO<br />Osprimeirospassos de umanovidades a um públicoenvolvem a fixação de umaimagem/marca. Quando se fala de presença, trabalha-se nãoapenas a concreta, de maneiraobjetiva, mas também a subjetiva, lidando com o imaginário e a memória do usuário. É com a memóriaque o trabalho de branding se realiza. Porisso, o conceito de brand equity deveinspirar o plano.<br />Brand Equity<br />Conscientização da marca (saber que existe)<br />Imagem da marca (lembrar-se dela)<br />Respostas à marca (preferência a ela)<br />Relações com a marca (fidelidade a ela)<br />(KOTLER, 2006)<br />
  17. 17. Algunsproblemas de ações on-line:<br />Nãosãoplanejadas;<br />São desalinhadas com as demaisações de marketing;<br />Desconsideramesquemasmentaisatuais dos usuários;<br />Nãoaproveitamtodo o potencial do meio Internet;<br />São mal mensuradas, semaproveitarrecursos online;<br />Nãocuidam do legadoquedeixamouquefoideixado;<br />Geramaçõesdescontinuadas, entre outros.<br />Brand Science Institute (2009), Dave Chaffey (2008), Krug (2006),<br />LuliRadfahrer (2010), Memória (2005) e Nilsen (2007).<br />
  18. 18. Considerando, então, oscampos de ações on-line:<br />Pesquisa/Análise<br />Relacionamento<br />Mídia<br />E também a presençaemseusentidoobjetivo (concreto) e subjetivo (imaginário),<br />
  19. 19. PLANO DE PRESENÇA ONLINE:<br />Presençaobjetiva: nívelestratégico + plano de ação + plano de mensuação e manutenção;<br />Presençasubjetiva: voltadaàs 4 fases de comportamento da corporação<br />Açõesefetivas:açõesespecíficasdentro das ferramentas, executandoações e levantando dados paraanálise<br />
  20. 20. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />6 passosparapresençaobjetiva<br />
  21. 21. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />4 fases de comportamentocorporativo, voltadas a umapresençasubjetivaquetrabalhe a mente do mercado<br />
  22. 22. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />Açõesefetivasporfasesubjetiva<br />EXISTIR/<br />
  23. 23. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />Açõesefetivasporfasesubjetiva<br />ATRAIR/<br />
  24. 24. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />Açõesefetivasporfasesubjetiva<br />RELACIONAR-SE/<br />
  25. 25. PLANO DE PRESENÇA ON-LINE<br />Açõesefetivasporfasesubjetiva<br />FIDELIZAR/<br />
  26. 26. DENTRO DA PROPOSTA DE PLANO DE PRESENÇA ON-LINE, É POSSÍVEL TRABALHAR:<br />Social media marketing<br />Search Marketing<br />Plano de banners emportaisdiversos<br />Ação de pautaem blogs, portais de notícias e sites de redessociais etc.<br />
  27. 27. “O mundo real exige pensar à frente e também alguma adaptação durante o percurso”<br />Portanto, defina o plano, mas nãodeixe de olharaoslados. E descruzeosbraçosquandotudoprecisarseralteradoporcausa da simples velocidade das mudanças online. Afinal,<br />“A coerênciatola é o espíritomalígno das mentespequenas”<br />(MINTZBERG, 2010)<br />
  28. 28. REFERÊNCIAS<br />BRAND SCIENCE INSTITUTE. Why Social Media Projects Fail?! – A European Perspectiv. Hamburg, 2009. Disponívelem<http://www.bsi.ag/studien_detail.php?id=4989049>.<br />CHAFFEY, Dave. Internet Marketing: Strategy, Implementation and Practice. 4. ed. London: Financial Times/ Prentice Hall, 2008.<br />JOHNSON, Gery. SCHOLES, Kevan. WHITTINGTON, Richard. Explorando a estratégiacorporativa. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.<br />KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.<br />_____________. Marketing Strategy. London: London Business Forum, 2008. Disponívelem<http://www.londonbusinessforum.com/events/marketing_strategy>.<br />KRUG, Steve. Não Me Faça Pensar - Uma Abordagem de Bom Senso à Usabilidade na Web. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2008.<br />MEMÓRIA, Felipe. Design para a Internet: projetando a experiênciaperfeita. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2005.<br />MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. The strategy process : concepts, contexts and cases. 3. ed. Upper Sadlle River: Prentice-Hall, 1996.<br />_____________. Criando organizações eficazes: estrutura em cinco configurações. São Paulo: Atlas, 1995.<br />_____________; LAMPEL, JOSEPH; AHLSTRAND, BRUCE. Safari De Estrategia. Porto Alegre: Bookman, 2010.<br />NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidadena Web - Projetando Websites com Qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus, 2007.<br />PORTER, Michael E. What is Strategy? Harvard Business Review. 1996.<br />RADFAHRER, Luli. Internet, experts e The Big Bang Theory. 2010. Disponívelem<http://www.luli.com.br/2009/05/21/internet-experts-e-the-big-bang-theory>.<br />ZALTMAN, Gerald. Afinal o queosclientesquerem? Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.<br />
  29. 29. W. Gabriel de Oliveira<br />Analista de estratégias Web, professor de Marketing Digital<br />e pesquisador da área Comunicação e Marketing<br />http://wgabriel.net<br />http://twitter.com/wgabriel1<br />wgabriel@wgabriel.net<br />

×